segunda-feira, 13 de setembro de 2010

JAMES JOYCE - DUBLIN (1882) - ZURIQUE (1941)

Continuando por Zurique, despertou-me a atenção esta placa numa esquina da Augustiner-Gasse.



James Augustine Aloysius Joyce (Dublin, 2 de Fevereiro de 1882Zurique, Suíça, 13 de Janeiro de 1941) foi um romancista, contista e poeta irlandês expatriado. É amplamente considerado um dos autores de maior relevância do século XX. Suas obras mais conhecidas são o volume de contos Dublinenses (1914) e os romances Retrato do Artista Quando Jovem (1916), Ulisses (1922) e Finnegans Wake (1939) - o que se poderia considerar um "cânone joyceano". Também participou dos primórdios do modernismo poético em língua inglesa, sendo considerado por Ezra Pound um dos mais iminentes poetas do imagismo. Embora Joyce tenha vivido fora de seu país natal pela maior parte da vida adulta, suas experiências irlandesas são essenciais para sua obra e fornecem-lhe toda a ambientação e muito da temática. Seu universo ficcional enraíza-se fortemente em Dublin e reflete sua vida familiar e eventos, amizades e inimizades dos tempos de escola e faculdade. Desta forma, ele é ao mesmo tempo um dos mais cosmopolitas e um dos mais particularistas dos autores modernistas de língua inglesa.



Depois de cruzar o Rio Limmat, o caminho até a Igreja de São Pedro chama a atenção. O turista passeia sobre as ruínas de uma terma romana do século 3, descoberta pelos arqueólogos há 16 anos. No topo da igreja, construída no século 9 mas cuja torre foi refeita no século 13, está o relógio símbolo da cidade, com 8,7 metros de diâmetro. Depois da Reforma, no século 16, e principalmente no século 18, quando soavam os sinos da igreja, era dado o toque de recolher (às 20h no inverno e 21h no verão). Fechavam-se então os portões da cidade e o comércio e os moradores iam todos para suas casas. Hoje, não raro o visitante ao entrar numa destas igrejas depara-se com uma aula de música clássica. Uma surpresa a mais no caminho. No século 18, muitos poetas foram para Zurique, como Goethe, Casanova e Thomas Mann, entre outros. A maioria ficava hospedada num charmoso hotel sobre o rio que corta a cidade. Outros, como James Joyce, acabaram alongando sua estada. Foi em Zurique que Joyce publicou algumas de suas mais importantes obras, como Retrato do artista quando jovem. Na Augustiner-Gasse está a sede da sociedade voltada ao autor, num recanto que ganhou o nome de James Joyce Corner (esquina do James Joyce). Ali, pelo menos uma vez por semana, seus arquivos são abertos e há leituras dos textos de Joyce. Imperdível.

Nesta foto vê-se a placa da Praça de S. Pedro.
A igreja de San Pedro (
alemão: Peterskirche) é uma das quatro principais igrejas do Zurique antigo. As outras três são o Grossmünster, a Fraumünster e a Predigerkirche.
Está situada junto a Lindenhof, a antiga fortaleza romana no mesmo espaço onde dantes se levantava um templo dedicado a
Júpiter. Os arqueólogos têm encontrado vestígios de uma pequena igreja de 10 por 7 metros dos séculos VIII ou IX. Este primeiro edifício foi substituído em torno do ano 1000 por uma igreja de estilo románico temporão. Em 1230 esta igreja foi substituída por outra de estilo románico tardio ainda que partes da primeira ainda sobrevivem. A nave principal foi reconstruida em 1460 em estilo gótico. O primeiro prefeito de Zurique, Rudolf Brunn, foi enterrado aqui no ano 1360. Até 1911 o campanario, um dos mais altos de Zurique, era utilizado para a vigilância contra incêndios.
San Pedro foi restaurada em profundidade entre
1970 e 1975. O relógio da torre tem um diámetro de 8,7 metros, o que lhe converte em um dos relógios murales maiores do mundo. Os sinos datam de 1880.
Curiosamente, o campanario da igreja pertence à prefeitura de Zurique e o resto do templo à Igreja suíça reformada.



15 comentários:

Lídia Borges disse...

Belas imagens e um texto, em tudo condizente.

Um beijo

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!

O conhecimento não ocupa lugar!

Obrigado, pela partilha.

Bjs

O Guardião disse...

Para além dos relógios...
Cumps

Mar Arável disse...

Apreciei a viagem

e o modo como a guia

me transportou

Bj

Lilá(s) disse...

Estou gostando desta viagem guiada.
Bjs

Graça Pereira disse...

Querida Tulipa
Tudo tão bem explicadinho e documentado que...dá vontade de te seguir sempre!
Li há muitos anos atrás a obra de James joyce, "Retrato do artista quando jovem" e gostei! Penso que dele, é a sua obra mais famosa...
Deve ser emocionante passar pelos locais onde viveram poetas, escritores e compositores famosos!
É como espreitar o passado com..os óculos do presente!
Beijocas amigas.
Graça

Luís Coelho disse...

Boa noite Tulipa bonita
Agradeço o comentário às minhas palavras simples,abertas e discretas.
Quero também desejar férias com saúde e paz. Férias com muita alegria e amor que nos ajuda a viver de bem connosco e com os outros.

AFRICA EM POESIA disse...

Deixo o segredo

É SEGREDO



Porque é que a vida tem de ser…
Sempre um emaranhado…
De esconder e não poder mostrar?...

Porque será que temos de esconder
Porque não mostrar ao mundo…
Tudo o que nos vai na alma?

Será que tudo que sentimos
Tem sempre que ser guardado
Porque não pode ser partilhado?...

Apetece gritar para toda a gente,
Mostrar com que fúria queremos…
E que também somos gente.

Mas o mundo é muito redondo…
E tem regras, muitas regras.
E temos que calar, porque é segredo…




Lili Laranjo

Deixo...

Tenho estado a preparar novo livro de poesia...
Queria que estivesse prontp em meados de Outubro
O titulo será Caminhei...caminhando...
O livro rondará os 10/15 euros
guardo algum(s)?...


Beijos

Petrus Monte Real disse...

Tulipa,

Muito grato pela simpática visita e palavras deixadas no meu espaço.
Sensibilizado!

Que belo e vivo testemunho. Uma perfeita combinação do passado com o presente. Autêntico momento de vivência de pedaços da História e da Literatura.
Estamos cada vez mais próximos de Zurique!
Beijos

Vieira Calado disse...

Olá, boa tarde!

Já sei pela Baby que vão a Sagres na 4ª feira.

Seria interessante nos encontrar-nos quando regressarem.

Diga-me qualquer coisa p.f.

Beijinhos

looking4good disse...

Com que então sempre a passear ?!... Ainda bem... Bela reportagem muito bem ilustrada, como sempre. Uma boa semana plena de sorrisos, flores e...poesia :)

poetaeusou . . . disse...

*
Amiga faz 2 anos,
estive em Dublin,
e passei por uma Escola em
que James Joyce deu aulas,foi
vitima das guerras religiosas,
tal como o pai, os meus posts
de 11 Setembro de 2008 e outros
são a prova, teve uma vida
muito agitada . . .
,
conchinhas, deixo,
,
*

Ives disse...

Olá, adorei seu blog, se me permitir estarei sempre aqui, abraços

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Cara Amiga, bela foto-reportagem de espectacular viagem....
Beijos

Sofá Amarelo disse...

Já li várias obras de James Joyce, é um dos meus escritores de eleição.