domingo, 5 de setembro de 2010

DISCURSO DE ZURIQUE - WINSTON CHURCHILL

Ao passear pelas ruas de Zurique, deparei-me com esta placa, à frente da porta de entrada deste edifício que se vê na imagem abaixo, que faz referência a Winston Churchill - ouvindo atentamente as explicações do Guia e, fazendo as minhas pesquisas diárias, explico a que se deve esta placa.


Foi proferido faz este mês precisamente 64 anos - mas podia perfeitamente ter sido proferido no dia de hoje, tal a actualidade subjacente ao seu conteúdo. Referimo-nos ao discurso que, em Zurique, a 19 de Setembro de 1946 - Winston Churchill proferiu, e que ficou conhecido como «Discurso de Zurique». Nele, Churchill chama a atenção dos Estados europeus para a necessidade de se unirem, criando uma estrutura regional que eventualmente se poderia chamar Estados Unidos da Europa. O Discurso de Zurique proferido por Winston Churchill constitui um verdadeiro hino à causa da Europa. Merece a pena conhecer em pormenor e na íntegra esta verdadeira peça literária que não pode ser esquecida ou ignorada em qualquer texto ou estudo onde a causa europeia constitua objecto central.
«Desejo falar–vos, hoje, sobre a tragédia da Europa. Este nobre continente, englobando no seu todo as mais agradáveis e civilizadas regiões da Terra, gozando de um clima temperado e equilibrado, é a terra natal de todas as raças originais do mundo ocidental. É a fonte da fé cristã e da ética cristã. É a origem da maior parte da cultura, das artes, da filosofia e da ciência tanto dos antigos como dos modernos tempos. Se a Europa tivesse alguma vez ficado unida na partilha do seu património comum, não haveria limite à felicidade, à prosperidade e à glória dos seus trezentos ou quatrocentos milhões de habitantes. Mas foi da Europa que jorrou essa série de assustadoras quezílias nacionalistas, originadas pelas nações teutónicas, a que nós assistimos ainda neste século XX e no nosso tempo, arruinando a paz e frustrando as expectativas de toda a humanidade. E a que situação foi a Europa reduzida? Alguns dos mais pequenos Estados fizeram, na realidade, uma boa recuperação, mas, sobre largas áreas, uma vasta e agitada massa de atormentados, famintos, ansiosos e desnorteados seres humanos olham pasmados, das ruínas de suas cidades e de seus lares, esquadrinhando os negros horizontes por algum novo perigo, tirania ou terror. Por entre os vencedores há uma babel de vozes dissonantes; por entre os vencidos o mal humorado silêncio do desespero. É tudo o que Europeus, agrupados em tantos antigos Estados e nações, é tudo o que os Poderes Germânicos obtiveram rasgando–se uns aos outros, espalhando destruição em todo o redor. De facto, mas também por que a grande República de além Atlântico compreendeu, à distância, que a ruína ou escravização da Europa envolveria também a sua própria sorte e estendeu o seu auxílio e orientação, os Tempos Negros recolheram toda a sua crueldade e miséria. Que poderão ainda voltar. Mas, ainda é tempo para um remédio que, se genérica e espontaneamente adoptado, poderá, como por milagre, transformar todo o cenário, podendo em poucos anos fazer toda a Europa, ou grande parte dela, tão livre e feliz como a Suíça o é nos dias de hoje...»

Um carro que chamava a atenção de todos, estacionado numa praça em Zurique.

8 comentários:

Zé Povinho disse...

Não conhecia este texto mas gostei do que li.
Abraço do Zé

Lilá(s) disse...

Um local a visitar, quem sabe para o ano...com estas referencias já vou bem documentada.
Bjs

São disse...

Interessante, pois desconhecia o discurso.
Da Alemanha conheço Colónia e pouco mais.
Um abraço.

Graça Pereira disse...

Churchill era um estadista de larga visão...este discurso pode dizer-se que é contemporaneo...estará realmente a Europa preparada para este caminho de felicidade partilhada??? Ou ainda teremos muito para andar??
beijocas e bom fds
Graça

Baby disse...

Excelente discurso, que faz jus ao grande homem e estadista que foi Churchill.
Como todos os discursos inteligentes, este nunca perde a actualidade.

Beijinhos.
Um bom Domingo.

Petrus Monte Real disse...

"Momentos Perfeitos",
Registo a minha visita (que se deve à consulta feita no espaço da "Avelaneira") como forma de lhe manifestar o prazer que me deu a descoberta de um lindo pedaço da Suiça, da Europa e da História.
Perfeita viagem, que nos desperta a curiosidade e dá vontade de conhecer quanto antes!
Parabéns pelo espaço e partilha!

GarçaReal disse...

Desconhecia este discurso, mas gostei muito de o ler , pois é inteligente e realmente actual

Bom resto de domingo

bjgrande do lago

looking4good disse...

Um discurso ainda bem actual, sem dúvida. Apesar de tudo isso que a Europa tem e representa «...as mais agradáveis e civilizadas regiões da Terra, gozando de um clima temperado e equilibrado, é a terra natal de todas as raças originais do mundo ocidental. É a fonte da fé cristã e da ética cristã. É a origem da maior parte da cultura, das artes, da filosofia e da ciência tanto dos antigos como dos modernos tempos...» muita coisa está por fazer e a crise está aí para durar... Um bom fim de semana com muitos sorrisos, flores (tulipas...pois claro) e poesia!