quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

OUTONO NO CEMITÉRIO


Imagens de Outono no Cemitério Mirogoj, em Zagreb.
Estava um dia de neblina cerrada;
Na foto de cima dá para perceber que nenhum dos 2 elementos faleceu ainda, apenas existe a data de nascimento dos dois.
Na de baixo vê-se que colocaram a data de nascimento de um dos elementos, mas ainda falta colocar a data da sua morte.
(clicar nas imagens para ver em tamanho normal)

11 comentários:

tulipa disse...

Hoje o meu post é sobre um cemitério, ia fazer uma crónica de viagem que tenho estado a preparar, mas perdi a vontade...
Peço desculpas!

HOJE o m/marido disse-me assim:
Prepara-te que um dia destes, acontece-te o mesmo que aconteceu ao C.C., limpo-te o sebo!

Não é fácil viver assim; é uma tortura psicológica diária.
Vivo debaixo de muitos nervos e em pânico.
Avisei-o que iria dizê-lo publicamente para que, caso algo me aconteça, saibam aquilo que ele me ameaçava.

. intemporal . disse...

.

. túlipa,,, .

.

. não pense assim... :) .

.

. vai ver que logo logo isso passa e ele Lhe pedir.Lhe.á des.culpa pelo que disse .

.

. ter.lhe.á dito isso por estar enervado ... qual é o casal que não se enerva ? .

.

. vá ... o próximo post será de re.conciliação . propulsora da paz no mundo .

.

. e quero ver.Vos unidos e amigos pois só assim a vida faz sentido .

.

. um beijinho muito amigo e estou aqui para a ajudar . a unir . nunca a separar . é o seu marido e a túlipa é a esposa dele .

.

. paulo .

.

O Guardião disse...

Dá para entender o post, ainda que eu pense que a vida é o nosso bem mais importante e que temos que lutar por vivê-la o melhor possível. Os amigos estão por perto...
Cumps

Luís Coelho disse...

Hoje
Senti as tuas lágrimas
Molhavam as minhas mãos
Feriram-me os olhos fechados
Senti que corriam paradas
Brilhavam no teu rosto cansadas
Tive vontade de segurá-las
Desejei misturar-me nelas
Bebê-las e acariciá-las
Desejei ver-te sorrir e amar
Desejei ver-te livre a cantar
E nesta vida a sonhar.
Não tenhas medo de nada
Ninguém te pode matar
Nem te trocar de lugar.
Luíscoelho

Mar Arável disse...

No ciclo das marés tudo é possível
até a vida

Graça Pereira disse...

Querida Tulipa, minha Flor

No cemitério tambem se encontra paz...eu encontro-a quando vou levar flores a quem me "mereceu"...Ele partiu vai fazer 12 anos em Março e ama-o como sempre. Nunca consegui substitui-lo...
Querida, tens de analisar friamente a situação: se ele está doente, desempregado é natural que esteja amargo, revoltado com a vida,
Geralmente, são os que amamos e que estão a nosso lado , quem paga a factura!
Tem uma conversa aberta com ele e...depois deixa passar o mau vento. A arte (a tua) e os netos podem ser o teu refúgio.
Acredita que há mulheres muito mais sós e de mãos vazias...
Levanta a cabeça e anima-te...é apenas uma fase!
Beijo muito carinhoso.
Graça

Zé Povinho disse...

Díficil dar palpites sobre uma situação tão delicada, mas a Graça parece ter escrito o que eu penso sobre o assunto.
Abraço do Zé

Rosa Carioca disse...

Não sei o que dizer... não imagino como deve ser o teu sofrimento...
Apenas desejo-te muita força.

Dulce B. disse...

Nao consigo imaginar-me a viver uma situação assim, nem sei que dizer a não ser desejar que tenhas muita força e coragem para dar a volta á situação da melhor forma que souberes e fores capaz, bjitos com mt amizade.

Eärwen Tulcakelumë disse...

Pérolas incandescentes de força, carinho e luz entrego em tuas mãos, amiga.

Eärwen

Sofá Amarelo disse...

Há muito que imagino fazer um dia um trabalho fotográfico nos cemitérios. As tuas fotos estão fantásticas!